Apaixone-se e envolva-se com 5 livros LGBT incríveis

Tudo em cima, gente? É com pesar que anuncio que Janeiro está quase no fim, caso você ainda não tenha percebido, o que significa que o ano, agora, vai começar pra valer. Mas pra tirar um pouco a ansiedade dos próximos meses e pra acalentar seus corações, trouxe pra vocês um top 5 muito especial.

Não é surpresa nenhuma, nem pra mim, nem pra você, que a Terra anda se tornando um lugar muito diferente do que era há poucos anos atrás. Vivemos hoje em um mundo de aprendizados, onde, infelizmente, a intolerância ainda reina sobre diversos assuntos. É gente metendo o pitaco onde não é chamado, gente querendo mandar no corpo do outro, gente matando por ódio. Mas, para nossa felicidade, pra cada um que age assim, existem mais cinco pessoas incríveis que se sobressaem à essa mente brutal. Mesmo que sejam reprimidas, mesmo que percam a esperança às vezes, mesmo que pareça impossível, elas existem! E são nessas pessoas que devemos nos apoiar e focar, é sobre elas que devemos falar e é com elas que devemos marchar.

Um dos assuntos mais polêmicos de hoje em dia é sobre um grupo que ainda sofre muita, mas muita repressão sem sentido. Você pode achar normal ver toda forma de amor expressa nas cores do nosso dia a dia, mas ainda tem muita gente que gosta do preto e banco. Ainda tem uma porcentagem muito grande que realmente acha que pregar o ódio é mais fácil do que ir contra as imposições da sociedade. Ainda tem muita gente que acha que o amor tem que ser calado com violência.

E é por isso que a visibilidade é tão importante. Visibilidade é nada mais, nada menos, do que ceder o lugar à quem precisa. Ou, melhor dizendo, é abrir espaço pra quem nunca teve voz. Visibilidade gera tumulto, é claro, mas é do tumulto que vem a reflexão e é dela que vem o respeito. Não é fácil desconstruir algo há tanto já fundado; causa trabalho, traz dor e cansa, cansa muito. Mas é necessário. É com a mudança que vem a alegria, e não é exatamente isso que todos queremos, no fim das contas?

O preconceito ronda nossas ações e algumas vezes nem sequer percebemos isso. Ele existe até mesmo nas minorias, e vem disfarçado de intolerância, julgamento e raiva. Ele jorra das bocas de quem fecha a mente e cobre os olhos, e o melhor jeito de combatê-lo é com luz. É difícil pedir paciência pra quem já apanhou tanto e é igualmente difícil pedir que alguém mude o pensamento de um segundo pro outro… Mas falta empatia, falta reconhecimento, falta humanidade, falta entender que as pessoas são diferentes: Nascem assim e não devem nem por um minuto se sentirem mal por isso.

Falta muita coisa, muita mesmo, mas, principalmente, falta amor. O meu desejo pra esse ano que se inicia é mais amor, por favor, em todas as suas formas e de todos os jeitos possíveis. Que ninguém se cale, e que ninguém precise se calar. Que a bondade vença e reine. Que tenhamos mais noção e mais entendimento. Que saibamos nos colocar no lugar do outro antes de abrir a boca e discutir. Que o conhecimento se derrame sobre todos nós, todos! E que isso seja a salvação e resulte em um lugar melhor.

A minha homenagem de hoje vai para o mundo LGBT. Queria dizer pra você que faz parte dele que eu te admiro muito. Admiro sua força, sua garra, sua luta, e estou ao seu lado. Queria que você soubesse que o ódio nunca vai vencer. Eu imagino como possa parecer desesperador, mas é só isso que posso fazer, imaginar… E já dói. Dói muito e me revolta. Então: Você não está sozinho ou sozinha. E você é incrível, e espero que nunca se esqueça disso.

Agora vamos lá ao meu top 5 de livros LGBT! Admito que foi muito difícil escolher só cinco obras, mas acho que a lista tá boa. Aposto que você não vai querer perder. Só lembrando que a ordem dos fatores não altera o produto: Isso quer dizer que os livros não estão descritos em ordem de importância ou gosto, porque todos tem sua importância. Foi um arranjo aleatório. Bora lá?!

Todas as sinopses e imagens foram retiradas do site skoob.com.br

01. Luas de Marias (Diedra Roiz e Wind Rose)

Há quem diga que Diedra e Wind nunca estiveram tão sintonizadas quanto para o desenvolvimento dessa obra. É a história de duas almas completamente diferentes, mas que acabam interligadas por obra do destino. Prepare-se para uma história de amor além das convenções.

Sinopse: O sinal vermelho é o suficiente para parar Cris – impaciente, mas obediente. Do lado de fora, sem regras, Maria está sentada na calçada, emoldurada pela lua que começa a surgir. No entanto, a sinaleira é a única intersecção da vida das duas. Será a atração que sentem uma pela outra, no tempo ínfimo que lhes permite o sinal vermelho, o suficiente para unir universos tão diferentes, mundos opostos em objetivos e ideologias? Escrito a quatro mãos pelo casal de escritoras Diedra Roiz e Wind Rose, foi publicado em versão impressa (livro) e digital (ebook) pela Editora Vira Letra.

 02. A moça de Copenhague (David Ebershoff)

Continue lendo em Prateleira de vidro 

Comnetários

comments

Deixe uma resposta