[Resenha] “Extraordinário”

Classificação: ★★★★☆ 
Título:
 Extraordinário
Título original: Wonder
Páginas: 320
Ano Edição: 2013
Editor(a): Intrínseca
Autor(a): R. J. Palacio
Tradutor(a): Rachel Agavino
Edição: 
ISBN: 978-85-8057-301-5
Gênero: Ficção / Infantojuvenil / Literatura Estrangeira
Resenha por: Giovanna Cuzziol Longo
imagem retirada do site http://www.livroseblablabla.com/

Sinopse: O livro conta a história de Auggie, um menino que nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial. Em um manifesto em favor da gentileza, ele enfrenta uma missão nada fácil quando começa a frequentar a escola pela primeira vez: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.

Antes de começar a leitura de Extraordinário, por R. J. Palacio, já tinha escutado muitas coisas boas do livro. Quando descobri que a história receberia adaptação cinematográfica esse ano (leia mais sobre isso aqui), decidi que seria a hora perfeita para me aventurar nas suas páginas. Curiosamente, logo no início da leitura, senti realmente que estava entrando em uma aventura, diferente de tudo que eu já tinha enfrentado. Ou melhor, lido. Agora costumo pensar que essa sensação serviu de presságio.

Todos nós passamos por momentos ou situações, curtos ou duradouros, que são decisivos para o desenvolvimento (ou formação) do nosso caráter. São como fases de um jogo nas quais, ganhando ou perdendo, adquirimos vivência. Muitas vezes, mais do que imaginamos, essas fases são pessoas. O protagonista foi uma fase gigante para todos, inclusive e principalmente para nós, leitores.

August Pullman, ou Auggie, deseja ser um garoto normal porque nunca antes se sentiu assim. A culpa disso é basicamente de uma série de síndromes genéticas que deixaram seu rosto com uma aparência incomum. O resultado disso? Mil idas e vindas ao hospital, enfrentando cirurgias severas desde quando era um bebê. A partir daí, podemos perceber que nosso protagonista é, no mínimo, um grande guerreiro. Residente de Nova Iorque, mora com os pais, a irmã mais velha e a cadelinha da família – que, aliás, é uma personagem extremamente carismática.

Continue lendo em Prateleira de Vidro 

Comnetários

comments

Deixe uma resposta