[RESENHA] Lavínia e a Árvore dos Tempos

Hey hey pessoal!

 

A resenha de hoje é uma jovenzinha que eu tenho falado muito nas redes sociais do blog, sabe de quem estou falando? Isso mesmo, da Lavínia. Curioso para saber um pouco mais sobre ela?

19727004_1548659535206710_1675850308_o.png


Lavínia e a árvore dos tempo

★★★★★

Autor: Ana Mariano de Carvalho

Gênero: Fantasia / Infanto-juvenil

Independente

Páginas: 236

Ano de publicação: 2014

ISBN-13: 9788592100001

ISBN-10: 8592100003

Encontre:  Skoob  | Sanfer Livros  | Com o autor

~ Cortesia do escritor~


Sinopse


Lavínia é uma menina de 9, quase 10 anos, um pouquinho diferente das outras de sua idade. Sem amigos na escola, sem um contato maior com seus pais, leva uma vida muito solitária para alguém tão pequeno. Seu único amigo, Leo, é quem divide com ela os anseios e questionamentos de sua infância, suas arquitetadas fugas dos Valentões e Marrentinhas que a perseguem na escola. Tudo muda quando recebe de presente uma fada, chamado Lorivaldo e que odeia seres humanos. Juntos, vão descobrir a magia escondida no mundo e os segredos da Árvore dos Tempos.


“Não importa o tamanho dos nossos problemas, sempre há uma solução.”

 

Quem acompanha o blog e as postagens na nossa página no Facebook sabe que eu gosto muito da Lavínia e estou sempre falando sobre ela, principalmente no mês passado dando congratulações aos 3 anos desde o seu lançamento. Infelizmente, por diversos motivos não consegui encerrar o mês com a chave de outro que queria e postar a resenha para vocês, mas com tudo normalizado trago para vocês a resenha de uma das obras mais amorzinhos que já li.


O livro começa contando a história de uma fada que fez muito mal contra os humanos e que irá receber sua punição. Durante a leitura dos crimes que serão julgados naquele momento, e não são poucos, a fada age da forma mais ignorante possível. Ele (sim, é uma fada homem) não liga para o julgamento porque ele realmente não liga para os humanos. “Que se explodam” deve ser a frase que melhor define seu sentimento pela nossa raça.


Agindo com petulância, Lorivaldo (a fada), acaba recebendo um ultimato, cuidar de uma menina humana por um ano inteiro ou ir para o tártaro (essa seria a punição mais terrível para os condenados de seu mundo). Sem muita opção e acreditando que 1 ano seria “simples”, apesar do seu ódio mortal, Lorivaldo acaba aceitando a alternativa “menos pior”, Lorivaldo é, então, apresentado à sua humana protegida, Lavínia.


O livro segue narrando como foi o encontro entre Lorivaldo e Lavínia e com foi a descoberta da jovem ao saber que pode fazer os pedidos que quiser bastando apenas acrescentar as palavras “Eu desejo”. Seu melhor amigo, Leo, entre na história e começa a se divertir junto com a Lavínia e o poder que eles tinha de desejar.
Chega um momento em que Lorivaldo começa a se afeiçoar pela sua humana (ALERTA: UM SEMI-SPOILER) e não a vê mais como um bicho ruim que deve ser destruído e sim como uma menina inocente que é, ele passa a enxergar as coisas com outros olhos e entender que em meio a tanto caos é possível haver um luz. No caso dele, Lavínia.

Quando iniciamos a leitura imaginamos que a história se passará na escola, lugar onde a jovem menina tem, aparentemente, seus maiores problemas, mas ao decorrer da trama é possível perceber que os ambientes vão mudando de uma forma bem sutil, de forma que os leitores não ficam confusos ou perdidos no tempo e espaço.

Seguindo com a história encontramos sinais bem fortes de como a inocência e o amor de uma criança podem transformar as coisas. Apesar de Lavínia não ser a popular da turma e ter sérios problemas em lidar com as pessoas, sem falar na sua rotatividade de percurso entre ir e vir da escola para não ter experiências desagradáveis, Lavínia nunca desejou o mal ou chegou a realizá-lo para com aquelas crianças que faziam sua vida escolar mais complicada do que deveria ser.

Lavínia também ensinou a Lorivaldo, de formas bem sutis, que não há motivos para odiar a raça humana e com pequenos gestos ela ensinou ao amigo rabugento que existem coisas boas na vida e que todas as ações geram consequência e que, dependendo de qual for, nem sempre nos agradam.

O livro também fala um pouco sobre o folclore brasileiro, fazendo referências ao Curupira e Boitatá, sem contar que faz referências a diversas criaturas máginas que já conhecemos bem no universo da fantasia como os Goblins, Gnomos e Gigantes de pedra (Golem).

Mas a grande pergunta do livro é: “Por que é Lavínia e a ARVORE DOS TEMPOS?” Pois é, isso eu não posso contar muito sobre, seria um baita spoiler, e iria acabar com a graça de toda a história. Mas posso deixar aqui para vocês 3 motivos para ler a série Lavínia e te deixar bem curioso para conhecer mais.


 

  • Fala sobre amizade

 

Lavínia nos ensina que independete do problema e do qual difícil as coisas possam ser, se tivermos amigos que estão ao nosso lado, tudo se torna pequeno ao ponto de não nos importarmos mais com os problemas.

 

  • Quebra os esteriótipos das fadas

 

Quem disse que as fadas devem ser coisas fofinhas, cheias de purpurina e que só fazem coisas boas?

Lorivaldo é a prova de que fadas que pensam o contrário disso podem existir, uma fada HOMEM (ou um Fado???) que não gosta da humanidade e comete atrocidades com ela, se fadas são (ou poderiam ser) reflexos daquilo que o homem é, por qual motivo elas devem ser sempre perfeitinhas?

PS.: Este item é muito importante pois é abordado na história.

 

  • Fala sobre temas que nunca discutimos com as crianças

 

 

Continue lendo em Fonte Literária 

Comnetários

comments

Deixe uma resposta