[4ª Poética] Das corredeiras do mundo – Cezar Ubaldo

Preciso ir aonde estão os rios
beber das águas os meus desafios
cortar montanhas com o soprar dos ventos
que há tanto tempo chamam-me para ir…

E vamos rir enquanto houver graça
colher nas praças todo verbo solto
cozer na manhã a raiz do fruto
que entre arbustos nos dá um bom-dia…
Fazer da chuva nossa vestimenta
dobrar com cantos a mais vil tormenta
eternizando o mel da tua pele
e renegando a dor,delírio e febre.

Comnetários

comments

Deixe uma resposta