Eu Morri – Davyd Vinicius

Eu já tive que morrer e renascer tantas vezes…

Também já tive que conhecer e desconhecer muita gente…

Foi necessário que eu aprendesse a lidar com o luto, talvez um pouco na marra, mas hoje está tudo bem.

Tive que aprender a lidar comigo e principalmente a lidar com os outros, com a falta imposta por eles a mim. Tive que aprender a lidar com a situação da distância que ia ficando cada vez maior e eu era o único a me importar, como se a partir daquele momento eu não estivesse mais aqui, como se realmente eu tivesse morrido. E eu tinha.

Foi a partir de então que passei a conhecer o outro lado da vida, um forasteiro em uma terra desconhecida. Eu tive medo, tudo que eu tinha em mãos estava partindo e eu não sabia para onde correr. Foi então que a vida passou a se abrir para mim, me mostrar que tudo aquilo não era em vão, que tudo aquilo que havia me deixado só havia ido para que coisas muito melhores pudessem fazer parte de mim.

Um novo eu ressurgia todos os dias cada vez melhor, para cada mão que havia largado da minha, abraços quentes e apertados, colo e ombro amigo, muito mais que um refúgio, uma fortaleza. Foi a partir dai que compreendi o meu verdadeiro lugar no mundo, o meu verdadeiro eu e quem realmente deveria estar ao meu lado.

Continue lendo em Faroeste Literário

Comnetários

comments

Deixe uma resposta