POR TESTEMUNHA A LUA

Por testemunha a Lua
E as estrelas por faróis
Por canção o vento
Por templo, a noite

Assim foi – em minh’alma nua
O teu olhar – Luz de mil sóis
Foi ao mesmo tempo alento
E novo (doce) açoite

Sem querer, fui tua
Nem ficamos a sós
Bastou a alma voar – e o corpo ao relento
Amava-te platonicamente toda a noite. Você percebeu?

Continue lendo em Devaneios e Poesias

Comnetários

comments

Deixe uma resposta